terça-feira, 17 de junho de 2014


The World Cup and the Mass Protests of the Social Movements

The expectation created by the leaders of the social and political protest movements for the opening of the World Cup was that there would be massive demonstrations. They hoped that there would be a replay of the events of June 2013. However these hopes turned out to be illusions.

The multi-faceted and multi-class crowd who entered the streets last June did not return. Many people became convinced by the government and the media that it would not make sense to participate in the movement called "There Will Be No Cup" since the state had spent so much money in the event.

The centrist left has been politically divided in their analysis of the situation. While the Morenoite PSTU (Brazil section of the LIT-FI) has joined the movement against the World Cup, the Workers' Cause Party (PCO) denounced that the slogan "There Will Be No Cup" would only serve to feed the demands of right-wing parties.

From January until the eve of the opening of the games there were many strikes, mainly workers of public transport and public services in general. The strike of the street cleaners in Rio de Janeiro was an example of a victorious struggle:

* It was a victory against the mayor who threatened to fire 300 street sweepers;

* It was a victory against the judiciary that declared the strike illegal;

* And it was a victory against their union leadership that attempted to reach an agreement with the bosses by massively reducing the striker’s demands

This successful strike were followed by several other strikes in the whole country: by the public school teachers, the drivers of public transport, judiciary workers, etc. It appeared that the closer the date of opening of the World Cup was coming, the more the number of strikes and protests increased.

However, much of the movement was suppressed by the police who acted with brutality against strike pickets. Furthermore, the employers appealed to the judiciary, which, without exception, considered most of the strikes as illegal. However, despite these threats the bus drivers in São Paulo ignored its trade union leadership which tried to sign an agreement with the bosses against the desires of the rank and file workers and went on strike for three days and virtually stopped the city. But the judiciary declared the strike illegal and fined the trade union with 200.000 reais (about 180.000 dollars) . Finally, the strike ended with the help of Valdevan José de Jesus Santos, the treacherous president of the driver’s trade union. Santos told a television network that he "was not surprised by the judiciary’s decision, and we will appeal to the judiciary to cancel the fine. We will appeal the punishment that because we are not guilt." Also said has not intend to carry out a new strike in protest against the decision. "We have no reason to. The union has not called strike, we are just call for judicial proceedings," he said.

The teachers of Rio de Janeiro – both state and county – proceed on strike since May 12 demanding a 20% wage increase and better working conditions. Recently, the teachers in São Paulo ended a strike that lasted 43 days in a very confrontation against the administration of Mayor Fernando Hadad (PT).

The workers of the São Paulo metro, whose union is mostly led by the PSTU, went on strike for five days on the eve of the opening of the World Cup. However, the accumulation of errors by the PSTU was crucial for the defeat of the movement: They do not unify the metro workers strike with the previous strike of bus drivers; after the refusal of the state government to meet the 36% demand of wage increase they lowered their demand to 10%, which was only 1.5% higher than the government’s offer; and in addition they were accused by the government and the press to make an opportunistic and political strike. This strike did not find support from the people, who did not understand why they were without transportation because of a difference of only 1.5%. The result was, again, that the judiciary outlawed the movement and fined the trade union with 100.000 reais (about 90.000 dollars) for each day of strike. The governor of the  State of São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), based on the alleged illegality of the strike, fired 42 strike workers of the metro. The union leaders, instead of calling for an intensification of the strike, canceled it and tried to negotiate the readmission of workers. But the governor was intransigent and kept the layoffs. It was a historic defeat of the subway workers.

The Homeless Workers Movement (MTST), which for months was the leading sector in the campaign against the Cup with massive street protests, was co-opted by the federal and municipal governments (PT) a few days before the start of the Cup. The PT governments promised to fulfill three of the MTST demands: 1) construction of 2000 houses on a plot near the stadium Itaquera; 2) creation of an inter-ministerial committee for the prevention of the forced evictions in the country, aiming to avoid conflicts and police violence; 3) realization of changes in the "Minha Casa, Minha Vida" (My House, My Life) program, which is a program that supposedly should allow for federal housing finance for the poorest people. Given these promises MTST withdrew from the streets.

As a result only a few groups continued to participate in the movement against the World Cup like some social groups independent of the parties, the teachers that are still on strike in Rio de Janeiro, and the few people of the so-called “Black Block”.

The tactic of the PSTU was a fiasco. They – and other of the left – backed the slogan "There will be no World Cup" and therefore prioritized to launch the metro strike on the eve of the event instead of uniting their strike with the struggles of the workers of public transport (buses) and the teachers. Worse, they helped the government to give weight to their demagogic argument that they were doing an "opportunistic strike which is harming the population."

It was also wrong of the PCO to claim that the movement "There will be no World Cup" was led by the right wing opposition. The truth is that the big sponsors and big corporations have invested a lot of money in this project and would never encourage right wing sections to boycott the event.

Moreover, the federal government used all the influence they have within the bureaucracy of the unions and social movements such as the MST (the powerful Movement of the Landless Peasants) to neutralize any broad social movement that could undermine the stability not only of governance but also the World Cup matches. In this sense, the bourgeoisie and the PT government are together as ever to ensure that they make profits together with FIFA.

The real battle between the government and the PT-PMDB and their allies against their traditional opponents of the PSDB and their allies will only start after the end of the World Cup, when the media  will put in  the agenda the  October election for president.

It is urgent to build an authentic revolutionary party which can provide the working class with a leadership which unites the struggles of the different sectors of the workers and combines it with a socialist program to overthrow the capitalist ruling class. The CCR (RCIT in Brazil) is working towards this goal and looks forward to discuss and collaborate with like-minded militants.

domingo, 8 de junho de 2014




  Foi a greve mais duradoura da história do Sinpeem: Exatos 43 dias. A cada tentativa da administração Haddad-PT e Callegari-PSB de acabar com a greve, inclusive fazendo pressões que se aproximavam do assédio moral contra educadores e gestores, só fez aumentar a revolta da categoria, consequentemente, muitos que não estavam em greve acabaram aderindo à luta.
 Estava em jogo não só as questões salariais como antigas questões como condições de trabalho e aposentadoria ameaçada. As escolas de CEIs nem intervalo tinham numa jornada de 6h diárias.
  A  Oposição de Verdade-Chapa 06 foi a primeira  e única, a defender que a greve por tempo indeterminado tivesse seu início já na volta às aulas em fevereiro, e mais especificamente defendeu essa proposta  na primeira assembleia massiva de rua em 11 de abril, exatamente para não dar ao governo  a chance de  manter a  sua própria agenda, centralizada no Forum de Negociação Permanente (governo –sindicato), o SINP, o qual na prática só serve ao governo como um “Sistema de Enrolação Permanente”. Tal proposta de luta direta imediata não encontrou eco na direção do Sindicato, Claudio Fonseca, mas a direção também contou com a ajuda da  denominada Oposição Alternativa-Chapa 02 (que inclui setores  do PSTU-PSOL e outros menores) em protelar a luta. Dessa forma, tanto a situação-direção do Sinpeem como a Oposição Alternativa ajudaram a cumprir a agenda do governo.
  Porém, com a recusa sistemática  da administração em atender às demandas da categoria essas direções foram obrigadas a chamar pela greve da educação  por tempo indeterminado em 23 de abril.
 A partir de então começou  a maior greve já registrada na história do Sinpeem em união com Aprofem, com ampla mobilização e quase 50%  em greve, chegando a 80% em alguns dias. Foram assembleias que foram aumentando  gradativamente,  desde 8 mil educadores  até quase 20 mil no seu auge. A administração Haddad-Callegari usou de todas as armas que dispunha para desmoralizar o movimento, como por exemplo, em acordo com a imprensa burguesa, pontuar que a greve era politica, porque supostamente os professores tinham salário de em média 8.000 reais(uma mentira), que as crianças estavam sem comer por causa da ausência dos professores, que não havia dinheiro suficiente, etc. Quando nada disso deu certo cortou o salário dos grevistas, esperando assim arrefecer a vontade de luta da categoria. O tiro saiu pela culatra: aumentou a mobilização e as assembleias aumentaram em quantidade de pessoas e de radicalização. E já com mais de 30 dias de greve, faltando poucos dias para a Copa do Mundo, com várias outras categorias nas ruas também em greve, assim  como os educadores professores e estudantes das universidades públicas, com os movimentos contra a COPA fazendo seus protestos, os sem-teto em milhares nas passeatas exigindo moradias e também contestando os gastos exorbitantes com os estádios de futebol, com a possibilidade dos professores estaduais também entrarem em greve, tudo isso estava contribuindo para um processo de unificação das lutas que há muitos anos não se via no Brasil. Além disso, os setores mais radicalizados  dos educadores da prefeitura, de forma voluntária, se organizaram para acampar em frente à prefeitura aumentando dessa forma a pressão sobre a administração. Foram heróis que enfrentaram noites frias e pouca estrutura até que a assembleia em votação majoritária obrigou a direção do sindicato a dar apoio e suporte ao acampamento. A repercussão foi positiva inclusive saindo na mídia.
  As direções sindicais e o governo sentiram o perigo dessa possibilidade de unificação e começaram a preparar o desmonte da greve. Isso ficou claro quando na assembleia de 30 de maio, com milhares de pessoas presentes, após mais uma rodada de “enrolação” de negociação em que o governo nada oferecia de novidade, a direção do sindicato propôs que a próxima assembleia fosse  direto à  câmara dos vereadores para fazer pressão parlamentar. O setor da  Oposição de Verdade-Chapa 06 fez  a intervenção contra ir à câmara, pois entendiam  que deveriam  fazer a assembleia na Avenida Paulista e depois ocupar as ruas em passeata e que  era para continuar a  dar mais impacto e visibilidade à  luta, e que aos vereadores não interessam a melhoria da educação e da saúde, estão lá para defenderem o sistema capitalista. Além disso, foram eleitos com campanhas eleitorais caríssimas financiadas pelo grande capital, portanto nada devem aos trabalhadores. Para  surpresa geral quem fez a defesa de ir à câmara foi a chapa 02 Alternativa em aliança com a direção do sindicato –Claudio Fonseca. Nos momentos decisivos a situação majoritária (chapa 01) e a situação minoritária (chapa 02 Alternativa) não são diferentes.
 Finalmente na assembleia do dia 03 de junho a direção informa sobre as última propostas da administração Haddad-Callegari para acabar com a greve: Garantiu-se a incorporação do bônus de 15,38% em 3 parcelas, começando em 2015 e terminando em 2016; promessa de aplicar 15 min de intervalos nas CEIs, manter os direitos de aposentadoria da forma como estão vigentes hoje, o pagamento dos dias parados com compromisso de reposição das aulas, O PDE a partir de 2015 com primeira parcela opcional, discutir o aperfeiçoamento do SGP, etc. Em votação a assembleia decidiu pelo fim do movimento, mesmo não tendo o sido completo o atendimento das reivindicações.
 Fica claro que o governo ficou pressionado pela intensa mobilização da categoria que de forma heroica não recuou diante das pressões e pela proximidade da Copa do Mundo e das outras mobilizações que se somariam à essa luta. Porém, numa análise mais profunda o que se garantiu para todos os educadores esse ano foi os 13,43% que já havia sido assinado pelo ex-prefeito Kassab-DEM, e mesmo a incorporação de 5,5% para o ano que vem não cobrirá sequer a inflação anual que beira os 6% anuais. Os 15min de intervalo para CEIs e a manutenção dos direitos de aposentadorias só poderão ser contabilizados como vitória se realmente forem aplicados em lei.

A categoria saiu com a sensação de vitória, e isso é bom, pois dá fôlego para as inevitáveis lutas que deverão prosseguir nos próximos anos. A administração da Frente Popular do PT em aliança com os setores mais tradicionais da direita burguesa como o  PP de Maluf nada tem a oferecer aos trabalhadores a não ser arrocho salarial, privatização, retirada de direitos, etc. Dessa forma, a  tão propalada idéia entre os trabalhadores que deve-se  votar no PT com  intuito de evitar um mal pior, é uma ilusão que se desfaz a cada dia. Aos trabalhadores  só resta resistir e lutar!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

A GREVE CONTINUA...JÁ SÃO 40 DIAS-Trabalhadores da Educação da CIDADE DE SÃO PAULO mantém greve, mesmo diante do desconto dos dias parados


Trabalhadores da Educação da CIDADE DE SÃO PAULO mantém greve, mesmo diante do desconto dos dias parados.
Estavam presetes mais  3 mil trabalhadores da Educação  que se reuniram em assembleia na tarde desta sexta-feira, 30 de maio  em frente à Prefeitura de São Paulo.
A categoria, que abrange dois sindicatos- Sinpeeme Aprofem- está em greve desde o dia 23 de abril  reivindicando  melhores salários, contra  à política do governo Haddad-PT de conceder apenas um abono sobre os pisos iniciais , os quais não alcançam  a 80% dos educadores ( incluindo o quadro de apoio) com a promessa vazia de somente incorporar esse abono a partir de uma data incerta de 2015, chegando a 2017.
Já havia sido anunciado que  o  governo do PT descontaria  os dias de greve no pagamento de maio podendo prejudicar milhares  de trabalhadorese suas familias.
Novamente o que se testemunhou nesse dia 30 de maio foi que o processo de Enrolação Permanente entrou em ação para impedir as passeatas e ocupações das avenidas. Uma negociação que começou às 13h em frente à prefeitura só terminou às 17h30 para oferecer o mesmo de antes- Isto é, NADA! As  passeatas servem para dar visibilidade à  luta, e se tornou uma das principais armas que  para quebrar o bloqueio que a imprensa burguesa faz do grandioso movimento.
Essa é uma  greve em que a direção do  (Sinpeem)  procurou evitar durante semanas, aceitando a enrolação do governo; e dessa forma se  opondo inicialmente à combativa mobilização.
A administração petista quer cumprir exatamente o que fazem os outros governos tradicionais de direita: Privatização, arrocho salarial, parcerias com ONGS, retirada de direitos de aposentadoria; fechamento de salas de aulas para adultos-EJA, controle Big Brother com o SGP, etc. E para cumprir tudo isso um imenso autoritarismo e assédio moral com os diretores que não cortaram o ponto dos grevistas.
Foi nesse que  um grupo de professores resolveu acampar em frente à prefeitura; e que apesar dos valorosos companheiros que se são ou se tornam vanguarda do movimento nesse acampamento mostrarem a sua coragem, corre-se o risco de retirar os melhores militantes das visitas às escolas.
A próxima assembleia, dia 03 de maio na câmara municipal para pressionar os vereadores foi aprovada em ampla maioria- Proposta pelas direção Claudio Fonseca e defendida pelo setor da direção que se denomina oposição (chapa 2). Porém, não devemos ter nenhuma confiança no parlamento. Foram eleitos com o voto popular, mas foram financiados pelas empresas em caríssimas campanhas eleitorais, assim como o prefeito Haddad. A quem eles devem realmente favores? Aos empresários!E o que os empresários defendem?
Resistir para avançar!
Fortalecer os comandos de greve!
Ques as centrais sindicais demonstrem  o seu apoio! CUT-Conlutas-CTB-Intersindical!
Não às migalhas- Condições de Trabalho Já!
Não ao arrocho salarial! Que a data Base seja respeitada! Reposição das perdas!
Abono não é salário!
Jornada de 30h para o quadro operacional!
Fim das parcerias com ONGs e as PPPs!
Aposentadoria integral e paritária pagos pelo orçamento do
Quadro do QPE!