domingo, 6 de outubro de 2019

Equador: Por uma Greve Geral Por Tempo Indeterminado Contra o Pacote de Austeridade Neoliberal!


E preciso criar assembleias populares democráticas para derrotar o governo de Moreno, que está a serviço do FMI! Por um governo operário, indígena, camponês e popular!

Declaração Conjunta do Partido Revolucionário dos Trabalhadores (Costa Rica) e a Corrente Comunista Revolucionária Internacional-CCRI (em inglês -RCIT), 6 de outubro de 2019

1. O governo equatoriano do presidente Lenin Moreno lançou um massivo ataque neoliberal contra os trabalhadores e as massas em 1º de outubro. Cumprindo as condições brutais de um empréstimo do FMI de 4,2 bilhões de dólares, Moreno anunciou a eliminação dos subsídios à gasolina, a imposição de reformas trabalhistas, tributárias e outras medidas econômicas. Como resultado desse conjunto de medidas, conhecido no Equador como “o pacotaço”, os preços do diesel por galão aumentaram de US$ 1,00 para US$ 2,20 (um aumento de 123%!) E o preço da gasolina de US$ 1,80 a US$ 2,30 por galão (aumento de 28%); Os serviços básicos custarão o dobro e o período de férias será reduzido pela metade, entre outras consequências. Esses ataques neoliberais levarão a enormes aumentos de preços e empobrecimento maciço.
2. Em reação, uma onda de protestos espontâneos em massa começou. Vários sindicatos e organizações populares, como a Federação de Transporte Urbano do Equador (FENATU), a Confederação Nacional Indígena do Equador (CONAIE), a Frente Popular e a Frente Trabalhadora Unida (FUT), se juntaram aos protestos. O movimento já atingiu a proporção de uma insurreição popular. Para esmagar os protestos com brutal repressão estatal, o governo declarou o estado de emergência. Cerca de 370 pessoas já foram presas, incluindo vários líderes sindicais e indígenas. vergonhosamente, a liderança dos sindicatos dos transportes suspendeu sua participação nos protestos em massa após dois dias. No entanto, outras organizações populares continuam se mobilizando para uma greve nacional em 9 de outubro.
3. O PRT e CCRI declaram sua solidariedade incondicional com a rebelião popular no Equador! Não há dúvida de que o governo, independentemente de sua roupa "progressista", é um servo da classe capitalista e dos monopólios imperialistas. A única solução está na expropriação dos grandes capitalistas e corporações multinacionais, na derrubada do estado burguês e na criação de um governo operário e popular para abrir caminho para um futuro socialista no Equador, na América Latina e no mundo!
4. É urgente aplicar as táticas da frente única e exigir que todos os sindicatos e organizações populares apoiem totalmente os protestos em massa. No entanto, seria tolice confiar em seus líderes burocráticos. A capitulação de Abel Gómez e outros burocratas após apenas dois dias de protestos é um aviso de que as massas não podem confiar neles! Diante das burocracias, as organizações revolucionárias e populares devem aplicar uma política de demandas e denúncias, forçá-las a promover ações de massa ou denunciá-las vigorosamente e desmascará-las quando tentam impedir ou trair o movimento de luta.
5. É crucial que as massas continuem e aprofundem a luta! Em nossa opinião, é urgente que eles sejam organizados em assembleias operárias em centros de trabalho e em assembleias populares em bairros, universidades e pequenos povoados. Os delegados dessas assembleias devem construir uma coordenação nacional para liderar a luta sem nenhum controle burocrático. Também é importante criar comitês de autodefesa que possam defender as massas contra a polícia e o exército. A principal tarefa agora é organizar uma greve geral em todo o país. Essa greve geral não deve ser limitada a um único dia. Deveria ser uma greve geral por tempo indeterminado, isto é, deve continuar até que o governo remova todo o seu ataque neoliberal. Essa greve geral também poderia abrir caminho para a derrubada do regime e a criação de um governo operário e popular com base em comitês de ação popular.

6. A rebelião popular no Equador não ocorre isoladamente. Faz parte de uma onda global de lutas em massa contra a miséria e a tirania, como vemos hoje nos levantes no Haiti, Honduras e Iraque, os protestos em massa no Egito e a luta contínua do povo sírio contra a ditadura de Assad. É crucial construir solidariedade internacional com a insurreição popular no Equador e defender uma perspectiva de unidade internacionalista com outras lutas.

7. As atuais lutas de massas no Equador, assim como em outros países, demonstram mais uma vez a urgência de substituir as direções burocráticas existentes (tais como a social-democracia, estalinismo, bolivarianismo, nacionalismo pequeno-burguês, islã etc.). Comprometemo-nos a trabalhar juntos para superar a crise atual na liderança da classe trabalhadora. A tarefa central para nós e para todos os outros revolucionários autênticos é proporcionar aos trabalhadores e camponeses pobres uma liderança revolucionária, isto é, construir um Partido Revolucionário Mundial que lute por um futuro socialista!

Partido Revolucionário dos Trabalhadores (Costa Rica), http://prtcostarica.blogspot.com/

Corrente Comunista Revolucionária Internacional(Brasil, México, Paquistão, Sri Lanka, Coréia do Sul, Israel / Palestina Ocupada, Iêmen, Nigéria, Quênia, Rússia, Grã-Bretanha, Alemanha e Áustria), www.thecommunists.net

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Mudança revolucionária para acabar com a mudança climática!



Somente a expropriação das corporações capitalistas é capaz de abrir caminho para o fim das mudanças climáticas

A iniciativa tendo como  base a  juventude que recebe o nome de Sextas-feiras Para o Futuro-SPF (em inglês FFF), chamou por uma semana de greve na no planeta Terra, que começou em 20 de setembro de 2019. Esta é uma campanha muito importante e altamente necessária, que recebeu o apoio de milhões de trabalhadores, camponeses pobres e juventude em todo o mundo. A Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI), saúda e apoia fortemente essa iniciativa!

A Semana Global para o Futuro é apoiada por várias forças, incluindo ONGs e até alguns sindicatos. O objetivo da SPF é convencer os capitalistas, respectivamente, os governos imperialistas de todo o mundo a implementar medidas de proteção ambiental, o que poderia garantir que os objetivos do Acordo de Paris sejam cumpridos. No entanto, mesmo a plena implementação do Acordo de Paris não impediria a mudança climática em curso, mas apenas adiaria o ponto de virada em direção a um clima totalmente novo para o planeta  que está caminhando atualmente.

A atual tendência de emissões trará uma nova era de desastres climáticos até 2029 (!) No Sri Lanka, 2031 no México e 2034 na Índia. Os países imperialistas ocidentais, ou seja, aqueles que causaram a catástrofe climática desde o início, têm maior probabilidade de entrar nesse novo estágio por volta de 2050. Mesmo com o Acordo de Paris, essa catástrofe será adiada por mais 20 anos, mas não será interrompida. De qualquer forma, sem uma mudança política e econômica radical, enfrentaremos o início do fim da vida humana na Terra. Governantes como Donald Trump e Jair Bolsonaro parecem ser o tipo de capitalistas que destroem a natureza de forma imprudente, mas na realidade todos os capitalistas são malignos.

O Acordo de Paris é baseado na ideia de conservar o sistema capitalista, o mesmo sistema que é a razão da próxima catástrofe. Quando a terra está literalmente queimando, todas as classes dominantes preocupam-se principalmente em se apegar aos meios de produção capitalistas. Somente uma mudança total e radical pode quase recriar a natureza tal como era antes do capitalismo começar a contagem regressiva da extinção. Somente a expropriação das classes capitalistas através de revoluções socialistas, isto é, revoltas armadas dos trabalhadores e oprimidos, pode permitir salvar a natureza e com ela a humanidade!

A Sextas-Feiras Para o Futuro apoia ações legais e pacíficas, acordadas pelos governos e seu aparato de repressão estatal. A posição política do movimento SPF significa que aqueles que causaram a catástrofe climática devem mudar seu comportamento, simplesmente porque lhes é pedido que o façam. Mas aqueles que causam a catástrofe climática, ou seja, as classes dominantes em todo o mundo e principalmente nos países imperialistas dos EUA, UE, Japão, Austrália, China e Rússia, são elas as responsáveis ​​pela superexploração e pelas guerras imperialistas e até genocídios contra os trabalhadores e oprimidos. ! É ridículo apelar a esses assassinos para que parem de destruir florestas e  poluir nosso ar e água.

Atualmente, a SPF é desafiada por forças mais radicais como a Rebelião da Extinção (em inglês Extintion Rebellion), que tem membros importantes como Carola Rakete, ex-capitã da Sea Watch, salvando refugiados e evitando de se afogarem. A  Rebelião da Extinção está apta a formas de protesto que podem levar a prisões, mas seu radicalismo é limitado a ações populares não violentas, como táticas de bloqueio e greves de ocupação.

Não há mais tempo a perder para a vanguarda da classe trabalhadora, apoiada pelos oprimidos em todo o mundo para se tornar a força líder no movimento ambiental! Somente nós entendemos que aqueles que estão nos explorando e oprimindo são aqueles que estão queimando o planeta que é nosso lar. Somente nós podemos organizar greves gerais e até insurreições armadas para expropriar essas bestas feras e iniciar uma economia mundial planificada que esteja disposta a fazer o que for necessário para salvar o planeta e com isso salvar a humanidade! O movimento Sextas-Feiras Para o Futuro e forças como a  Rebelião da Extinção se caracterizam como um começo importante.

A CCRI propõe como próximo passo a organização não apenas  uma greve simbólica , mas uma apropriada greve geral internacional. Essa greve geral deve visar, em particular, as corporações capitalistas, ou seja, as responsáveis ​​pela destruição do meio ambiente. Os ativistas devem formar comitês nos locais de trabalho, bairros e escolas, a fim de organizar ações de massa e pressionar os sindicatos e outras organizações populares de massa a desempenhar um papel central nessas atividades. Essa greve geral deve ser um passo importante para planejar a ocupação dessas corporações capitalistas.

No entanto, precisamos de um movimento de massas verdadeiramente internacional. Sem nossos irmãos e irmãs nos países semi-coloniais, os quais são os primeiros a sofrer a catástrofe climática, o movimento ambientalista não pode se transformar no que precisa se tornar: um movimento internacionalista e socialista! Nosso planeta adoeceu devido à classe capitalista, apenas a revolução socialista pode curá-lo! 

Secretaria Internacional da CCRI

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Egito: Derrubem o Tirano Sisi!



Protestos espontâneos em massa abalam a ditadura militar do general Sisi
Declaração da Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI), 23.09.2019, www.thecommunists.net

English version:

French Version:
 

1. Eventos de profunda importância estão ocorrendo atualmente no Egito. Desde sexta-feira, 20 de setembro, manifestações espontâneas em massa estão ocorrendo no Cairo, Suez, Alexandria, Port Said, El-Mahalla El-Kubra e outras cidades. As pessoas marcharam até a histórica Praça Tahrir, o local central da Revolução Egípcia que resultou na queda da ditadura de Mubarak em 25 de janeiro de 2011. Eles estão cantando slogans como "o povo exige a queda do regime" e "saia, Sisi!" , "Levante-se, não tema, Sisi deve ir" e "existe apenas um Deus e Sisi é o inimigo de Deus". O general Sisi,  ditador do Egito que está atualmente em Nova York para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas, está visivelmente ficando nervoso, pois considerou necessário emitir um aviso aos jornalistas internacionais "para não depender das plataformas de mídia social como fontes de notícias, por medo de caos, confusão, contas falsas contas e invenções".

2. O regime tenta suprimir a revolta popular por todos os meios necessários. Cerca de 400 a 500 pessoas já foram presas no Cairo, segundo o advogado Amr Imam. Algumas horas atrás, a polícia deteve Mahienour El-Massry, uma conhecida e premiada advogada de direitos humanos, depois dela ter participado das investigações como advogada de vários dos presos durante as manifestações. A ditadura militar é um inimigo cruel do povo. Desde que chegou ao poder por meio de um golpe de Estado em 3 de julho de 2013, matou milhares de pessoas, estuprou várias mulheres na prisão e jogou pelo menos 63.000 pessoas nas masmorras. Em um único dia - 14 de agosto de 2013 - o exército matou 2.600 pessoas que se manifestavam na Praça Rabaa do Cairo e em outros lugares! Sem dúvida, esta sangrenta ditadura lutará para manter seu poder e privilégios com toda a sua brutalidade.

3. A Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI) saúda de todo o coração esse levantamento popular e envia suas calorosas saudações aos corajosos irmãos e irmãs que estão desafiando o enorme aparato estatal  armado até os dentes! Esta é uma luta pela liberdade contra uma ditadura bárbara - merece o apoio total e incondicional de todos os socialistas, democratas e homens e mulheres justos! 

4. Os protestos foram desencadeados por uma série de vídeos publicados por Mohamed Ali, que atualmente vive na Espanha em exílio auto-imposto. Ele é um homem de negócios que trabalhou como contratado militar por 15 anos. Como figura do establishment que virou informante, ele acusa os generais, incluindo Sisi, de numerosos casos de corrupção. Sem dúvida, a maioria de suas reivindicações será verdadeira, pois todo o país está ciente de que o establishment militar e a família de Sisi estão completamente corrompidos. Mohamed Ali também enviou uma carta ao ministro da Defesa, o general Mohamed Zaki, pedindo que ele force o presidente Abdel Fattah al-Sisi a renunciar ou prendê-lo em caso de rejeição. Embora a exposição desses escândalos seja altamente bem-vinda, a CCRI alerta fortemente contra quaisquer ilusões nas perspectivas defendidas por esse homem de negócios. Seu apelo aos militares para destituir o general Sisi representa o traiçoeiro caminho  de um golpe de estado que apenas removeria o tirano, mas manteria o exército como força dominante. No entanto, foi uma das falhas mais importantes da Revolução de 25 de janeiro que permaneceu inacabada e deixou os generais no poder.

5. Embora seja muito cedo para dizer se este já é o começo da Segunda Revolução Egípcia, não há dúvida sobre o profundo significado desses eventos. Os eventos podem ocorrer muito rapidamente, mas também é possível que este seja o começo de um processo mais longo até a queda do regime (semelhante ao Irã 1978-79). De qualquer forma, parece que uma barreira psicológica foi derrubada - o medo das massas do aparato esmagador de repressão. E isso por si só já é uma vitória! 

6. A importância de uma derrubada do regime do general Sisi não pode ser superestimada. Essa ditadura representa o pilar mais importante da ofensiva contra-revolucionária que foi guiada pelas classes dominantes dos estados árabes e pelas Grandes Potências imperialistas em resposta à Grande Revolução Árabe. O golpe de Estado de 3 de julho de 2013 não só destruiu as conquistas democráticas no próprio Egito. Ajudou Israel a estrangular Gaza. Ajudou o tirano Assad a fazer recuar a Revolução Síria. Fortaleceu o general Haftar e suas forças contra-revolucionárias na Líbia. Sem surpresa, o General Sisi recebeu apoio financeiro e político maciço dos regimes autoritários da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos. Da mesma forma, a ditadura militar foi considerada um aliado confiável por todas as Grandes Potências imperialistas. Apenas algumas semanas atrás, o presidente dos EUA, Trump, literalmente chamou Sisi de "Meu Ditador Favorito"! E os governos da UE estenderam o tapete vermelho para o general Sisi há menos de um ano, pois ele garantiu a seus senhores europeus que pararia os imigrantes que atravessam o Mediterrâneo por qualquer meio brutal necessário.

7. Em outras palavras, derrubar a ditadura do Egito seria um duro golpe para o estado sionista, para as monarquias ultra-reacionárias do Golfo, para Assad, o açougueiro, para o general Haftar, para Trump, Putin e Xi, assim como para a fortaleza imperialista União Europeia-UE! Seria uma vitória importante para as massas populares no Egito, sedentas de liberdade, para o heroico povo palestino, para a gloriosa revolução síria em curso, para as massas iemenitas que defendem seu país contra a agressão saudita, para o povo líbio que defendendo Trípoli e para refugiados tentando desesperadamente fugir da guerra e da miséria. Em resumo, derrotar Sisi significaria uma derrota para todas as tiranias contra-revolucionárias do mundo árabe, assim como uma derrota para todas as Grandes Potências!

8. Nesse ponto, é importante lembrar que não foram apenas as Grandes Potências imperialistas e as classes dirigentes regionais que deram boas-vindas à sangrenta conquista do poder pelo general Sisi há seis anos. Esse regime assassino também foi aclamado por inúmeras organizações de "esquerda", como o Partido Estalinista "Comunista" do Egito e seus amigos internacionais, além de várias organizações pseudo-trotskistas (como a  Liga Internacional de Trabalhadores-LIT, Tendência Marxista Internacional-TMI de Alan Woods ou, inicialmente, Tendência Socialista Internacional- RS/TSI). Todos saudaram o golpe de estado como uma "Segunda Revolução do Egito", ou seja, eles glorificaram vergonhosamente a sangrenta contra-revolução como sendo uma "revolução"! A história nunca esquecerá esse crime! 

9. A CCRI apoiou a resistência das massas populares no Egito contra a tirania do general Sisi desde a primeira hora. Participamos de inúmeras ações de solidariedade dos imigrantes egípcios. É crucial que os trabalhadores, jovens e pobres do Egito desta vez levem até o fim a revolução, esmaguem todo o aparato de repressão e expropriem todos os negócios e a elite militar! Também chamamos os trabalhadores e organizações populares de massa em todo o mundo a demonstrar sua solidariedade internacional e a se unir em apoio aos irmãos e irmãs do Egito! A CCRI convida todos os ativistas que compartilham nossas perspectivas a se juntarem a nós na construção de um partido revolucionário no Egito e no mundo! 

* Avançar para a Segunda Revolução do Egito! 

* Organizar comitês de ação! 

* Preparem-se para uma greve geral e uma insurreição popular! 

* Por uma Assembleia Constituinte Revolucionária! 

* Por um governo de trabalhadores e camponeses pobres!

Secretaria Internacional da CCRI

* * * * *
Recomendamos aos nossos leitores nosso site, onde A CCRI publicou numerosos folhetos, declarações e artigos sobre o processo revolucionário e os reveses contra-revolucionários no Egito e no mundo árabe. Eles podem ser vistos aqui: https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/ em particular, chamamos a atenção para os seguintes documentos:

Reportagem (com fotos e vídeo): Reunião no 6º aniversário do Massacre de Rabaa em 2013, 14 de agosto de 2019, https://www.thecommunists.net/rcit/egypt-rally-at-anniversary-of-rabaa-massacre -14-8-2019/
Michael Pröbsting: Líderes da UE Elogiam a Ditadura Militar do Egito, 21.09.2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/eu-leaders-praise-egypt-s-military-dictatorship/

CCRI: Argélia e Sudão: Duas Vitórias Importantes e um Aviso. Não confiar no comando do exército e na velha elite! Continua a revolução! 11 de abril de 2019, https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/first-victories-in-algeria-and-sudan/

CCRI: Revolução e Contra-Revolução no Mundo Árabe: um agudo teste o para revolucionários, 31 de maio de 2015, https://www.thecommunists.net/theory/theses-arab-revolution/