domingo, 17 de junho de 2018

O Encontro de Cúpula Entre Trump e Kim Abriu um Caminho Para a Paz no Leste Asiático?






Pelo fim das sanções imperialistas contra a Coreia do Norte! Pela Saída dos Militares dos EUA da Península Coreana! Não ao regime stalinista-capitalista de Kim Jong-un!

Declaração da Corrente Comunista  Revolucionária Internacional (CCRI), 14 de junho de 2018, www.thecommunists.net



1.             O encontro de cúpula de Cingapura do presidente dos EUA, Donald Trump, e do chefe de Estado da Coreia do Norte, Kim Jong-un, foi um evento extraordinariamente esperado na mídia ocidental e coreana. Milhares de jornalistas reuniram-se para informar sobre a reunião dos “dois (!) ditadores” (Como disse um comentarista ultra-conservador dos EUA Fox News que mais tarde se desculpou por isso). O encontro resultou numa declaração conjunta em  que se anunciou que ambas as partes “se comprometem a estabelecer novas relações entre os EUA e a República Popular Democrática da Coreia-RPDC”, que “unirão os seus esforços para construir um regime de paz duradouro e estável na península coreana”, que “a RPDC se compromete a trabalhar para a completa desnuclearização da península coreana ”, e que ambos os lados“ se comprometam a recuperar prisioneiros de guerra / MIA ” restantes (da Guerra da Coréia em 1950-53). Declaração conjunta de Trump e Kim, 12 de junho, 2018, Reuters, https://www.reuters.com/article/us-northkorea-usa-agreement-text/trump-and-kims-joint-statement-idUSKBN1J80IU) Além disso, Trump anunciou em uma conferência de imprensa após a cúpula que os EUA suspenderiam seus "tremendamente caros"   exercícios militares anuais na península, que ele disse serem "provocativos" para a Coréia do Norte. Trump também disse que a Coréia do Norte havia concordado em destruir um local de teste com de míssil (que até agora não foi confirmado pela Coréia do Norte). A agência de notícias oficial da Coreia do Norte, KCNA, anunciou que o presidente dos EUA concordou em suspender as sanções contra o Norte (o que não foi confirmado pelos EUA até agora). Por fim, Trump e Kim se convidaram para visitar os Estados Unidos e a Coréia do Norte, respectivamente, e ambos aceitaram os convites.

2.             Sem surpresa, o resultado da cúpula foi saudado como um "tremendo sucesso" tanto por Trump e seus mais ardorosos partidários de direita quanto pela mídia estatal da Coreia do Norte. A KCNA descreveu a cúpula como a “reunião do século”, que as conversas  "marcam uma nova época"e  trariam um fim às "relações hostis e extremas" entre os países. Trump também estava cheio de elogios - em especial de si mesmo e de sua especialização em “fazer negócios”. Ele disse que a reunião com Kim foi "melhor do que qualquer um poderia esperar", que ele e Kim desenvolveram "um vínculo muito especial" e que ele aprendeu que Kim é um "homem talentoso" que "ama muito seu país". A Casa Branca também publicou um trailer de um vídeo de quatro minutos sobre o encontro que, com uma mistura de Hollywood e técnicas simples de propaganda, elogiou Trump e Kim como "dois homens, dois líderes, um destino"! (https://www.youtube.com/watch?v=QVVFARIR0Tc)

3.             A reação do resto do mundo tem sido mais comedida. Muitos observam com alívio que os EUA se afastaram de sua política de agressivo belicismo contra a Coréia do Norte, pelo menos por enquanto. Esse é particularmente o caso da China, Rússia e Coréia do Sul, que não têm interesse em tensões militares em sua proximidade. No entanto, muitos políticos e especialistas concordam que a declaração conjunta é muito algébrica, sem medidas específicas e sem um calendário. Portanto, está aberto para diferentes interpretações. Tomemos por exemplo a frase “desnuclearização da península coreana”. Embora o governo dos EUA entenda isso como um “desarmamento completo, verificável e irreversível” de Pyongyang, a Coreia do Norte entende isso como incluindo o fim do “guarda-chuva nuclear” dos EUA com relação à Coréia do Sul e o Japão e à retirada das tropas norte-coreanas da Coréia do Sul. Figuras importantes de políticos dos EUA tanto do Partido Republicano quanto do Partido Democrata expressaram cautela e temem que Trump possa fazer concessões demais. O Japão, o mais importante aliado dos EUA na Ásia, expressou suas reservas sobre a suspensão dos anuais exercícios militares.

4.             Naturalmente, não é possível prever a natureza exata de novas negociações entre os EUA e a Coréia do Norte. O que pode ser dito por enquanto é que Kim Jong-un certamente se beneficia mais a curto prazo desse encontro do que o velho  de cabelo alaranjado. Levando em conta o isolamento internacional do regime e  o fato de que o país é um dos mais pobres do mundo, já foi uma conquista receber reconhecimento diplomático da maior potência global e arqui-inimigo número 1. Além disso, o regime não deveria conceder qualquer outra concessão do que repetir a fórmula algébrica tradicional "para trabalhar no sentido da desnuclearização completa da península coreana". O anúncio de Trump para suspender os jogos anuais de guerra também é uma vantagem do lado de Pyongyang.

5.             Naturalmente, cada um desses resultados pode ser revogado a qualquer momento - especialmente se do outro lado  for aquele chamado Donald Trump. No entanto, uma política renovada de agressão militarista pelo imperialismo norte-americano contra a Coréia do Norte teria agora de ser paga por custos políticos mais altos do que antes. Além disso, e muito mais importante para Pyongyang, será agora mais fácil para a Coréia do Norte superar seu relativo isolamento internacional e revitalizar suas relações políticas e econômicas com outros países. Conforme relatamos em outro artigo, o regime já deixou claro que modernizar sua economia e expandir seu comércio e investimentos estrangeiros com a Coreia do Sul, China e Rússia é uma prioridade. Os capitalistas monopolistas da Coréia do Sul, organizados na Câmara de Comércio e Indústria da Coreia do Sul, já afirmaram horas após a cúpula ter concluído que "se preparam totalmente para uma nova era de cooperação econômica entre a Coréia do Norte e a Coréia do Sul".

6.             Como a cúpula resultará em uma redução das tensões militares na península coreana, pelo menos no curto prazo, podemos dizer que a China é o segundo vencedor deste evento. O relacionamento da China com a Coréia do Norte nunca foi sem atritos. Enquanto o país da península coreana é certamente a parte mais fraca do relacionamento, seria errado ver Pyongyang simplesmente como um lacaio subordinado de Pequim. A classe dominante da China se opõe ao desejo do regime de Kim de construir um arsenal de armas nucleares, uma vez que tornaria Pyongyang mais independente. Pequim prefere o país estável, mas subordinado como um estado-tampão, em suas fronteiras orientais. Nem quer dar ao imperialismo dos EUA um pretexto adicional para ações bélicas em sua proximidade. Por todas essas razões, Pequim apoiou taticamente as sanções da ONU contra a Coréia do Norte.

7.             No entanto, a Coreia do Norte foi e continua a ser estrategicamente uma aliada do imperialismo chinês. De fato, a aliança da China com o regime de Pyongyang, reforçada pelas duas reuniões de Kim Jong-un com o presidente Xi Jinping desde março, deu à Coréia do Norte suficiente força diplomática para resistir à pressão de Washington. Em outras palavras, achamos que o encontro em Cingapura é outro exemplo que confirma a análise da CCRI sobre a situação política mundial. Demonstra-se mais uma vez a ascensão da China como uma Grande Potência imperialista e, ao mesmo tempo, o declínio do imperialismo dos EUA.

8.             Por que o presidente dos EUA, Trump, concordou em realizar a cúpula e assinar seu comunicado final (depois que ele cancelou temporariamente a cúpula em 24 de maio)? A principal razão é, em nossa opinião, encontrar-se na crescente fraqueza política e isolamento da administração Trump, tanto internamente quanto no cenário internacional. Domesticamente Trump é desprezado pela maioria dos trabalhadores, bem como pela classe média e pela burguesia. Além disso, ele enfrenta a investigação do Conselho Especial do ex-diretor do FBI, Robert Mueller. Esta investigação está em andamento apesar de todas as manobras de Trump e parece trazer à luz inúmeras atividades altamente embaraçosas e criminosas do presidente dos Estados Unidos e de seu círculo íntimo. No campo da política externa, a administração Trump basicamente rompe as relações não apenas com seus mais importantes rivais imperialistas, China e Rússia, mas também com seus aliados da Europa Ocidental e até com o Canadá e o México. O presidente dos EUA está ameaçando a guerra comercial contra quase todos. Fora dos pequenos círculos de fanáticos sionistas e amigos do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, bin Salman, poucos não desprezam o lixo geriátrico da Casa Branca. Sob essas circunstâncias, Trump precisa desesperadamente de algum tipo de sucesso político. Proclamar o sucesso diplomático na Península da Coreia e ter uma grande foto em Cingapura tem sido uma das poucas opções.

9.             Quais são as conseqüências políticas desse encontro? Abriu o caminho para a paz no leste da Ásia? A resposta para isso é simplesmente "não". É claro que, a curto prazo, é provável que as enormes tensões militares, que dominaram a península coreana há alguns meses, sejam reduzidas. Como dissemos antes, a administração Trump está desesperadamente procurando algum tipo de sucesso político. Tanto mais que as eleições de 2018 para o Senado e a Câmara ocorrerão em 6 de novembro, para as quais as primárias já começaram. Se os republicanos perderem a maioria em ambas as Casas, a vida se tornará ainda mais difícil para a administração Trump. Outro fator que molda a política externa de Washington em relação a Pyongyang é a aceleração bélica dos EUA contra o Irã. A ameaça de outra grande guerra no Oriente Médio limita o desejo de Washington de arriscar simultaneamente uma segunda guerra no leste da Ásia.

10.          No entanto, os fatores fundamentais que provocaram a crise política e militar na península coreana não desapareceram e não podem desaparecer. Estes fatores são, em primeiro lugar e acima de tudo, a rivalidade crescente entre as duas maiores Grandes Potências imperialistas, EUA e China, com a Rússia e o Japão também a desempenhar um papel. Já vimos nas últimas semanas uma aceleração das tensões entre Washington e Pequim, tanto no comércio quanto no controle do Mar do Sul da China. Assim que o regime de sanções contra a Coréia do Norte se tornar mais fraco, Pyongyang intensificará suas relações de comércio exterior e é mais provável que Pequim, Seul e Moscou  se beneficiem disso e não  Washington.

11.          Outros fatores que influenciam os desenvolvimentos na península coreana são:

* O interesse da burguesia monopolista da Coréia do Sul em obter melhor acesso ao mercado de trabalho e de consumo norte-coreano;

* O interesse da Rússia imperialista em intensificar suas relações econômicas com os dois estados coreanos e não perder em termos de influência regional no leste da Ásia.

12.          Em conclusão, pensamos que no curto prazo as relações entre os EUA e a Coréia do Norte serão fortemente influenciadas pelos estreitos cálculos políticos internos de Trump, ou seja, sua necessidade desesperada de algum tipo de sucesso político. A longo prazo, pensamos que a rivalidade imperialista entre os EUA e a China será o eixo central que determinará os desenvolvimentos na península coreana. Dado o declínio do capitalismo e o agravamento geral das tensões globais entre as grandes potências, a rivalidade entre Washington e Pequim inevitavelmente se acelerará. Portanto, consideramos um desenvolvimento pacífico para a península coreana como impossível.

13.          Outra consequência importante desse encontro poderia ser uma aceleração do processo de restauração capitalista na Coréia do Norte. Como a CCRI elaborou em outro artigo, a Coréia do Norte está passando por uma transformação social completamente reacionária. É um ex-Estado operário stalinista com uma ditadura burocrática, que sofreu nos últimos anos um processo de restauração capitalista que transformou o país em uma semi-colônia capitalista. A elite governante - liderada por uma espécie de governo monárquico da dinastia da família Kim desde sua fundação - se transformou em uma classe dominante stalinista-capitalista. Sob tais condições, é crucial que o regime revitalize sua economia, intensificando o comércio exterior e o investimento, de modo a consolidar as relações de produção capitalistas e aumentar a produção de mais-valia.

14.          A CCRI repete a sua rejeição categórica da exigência dos imperialistas de desnuclearizar a Coreia do Norte. Nós sempre salientamos que tal demanda não é senão hipocrisia reacionária. De acordo com a edição de 2017 do Anuário do SIPRI, os EUA são - juntamente com a Rússia - a maior potência nuclear do mundo, com um estoque de  6.800 ogivas nucleares. A Coréia do Norte possui, no máximo, 10 a 20 ogivas! Além disso, são os EUA e não a Coréia do Norte, que regularmente realiza guerras em outros países - mais recentemente na Síria, Afeganistão e Iraque. Finalmente, enquanto a Coréia do Norte não é uma ameaça para os EUA, dezenas de milhares de soldados dos EUA e um moderno sistema de armas estão estacionados na península coreana. Por conseguinte, defendemos firmemente o direito da Coreia do Norte de possuir armas nucleares, independentemente da nossa oposição política ao seu regime. Tais armas são um meio de se defender contra a agressão das potências imperialistas. O fato de Washington ter sido forçado a iniciar tais negociações com o regime de Kim é resultado da Coréia do Norte ter a posse de tais armas. O Irã também se tivesse armas nucleares, o imperialismo americano e israelense seriam  mais cuidadoso em sua política bélicas.

15.          Diante desses acontecimentos, a CCRI confirma seu programa revolucionário para a península coreana.

* Pelo fim das sanções imperialistas contra a Coréia do Norte agora!

* Dissolução das bases militares norte-americanas na Coréia do Sul e retirada dos 28.500 soldados estadunidenses estacionados lá! Não à implantação do sistema de defesa antimísseis da THAAD na Coréia do Sul!

* Por manifestações e greves contra todas as formas de agressão imperialista!

* Defender o direito da Coréia do Norte de possuir armas nucleares!

* Em qualquer conflito militar entre os EUA, o Japão ou a Coréia do Sul, de um lado, e a Coréia do Norte, do outro: derrotar as forças imperialistas e seus aliados e defender a Coréia do Norte!

* Não ao imperialismo chinês e russo!

* Pela luta de classes contra a exploração e a opressão em ambas as Coréias! Abaixo a classe dominante imperialista na Coreia do Sul! Abaixo a classe dominante stalinista-capitalista na Coréia do Norte!

* Pela unificação revolucionária da península coreana! Por uma República dos Trabalhadores e Camponeses Coreanos!

* Construir um Partido Revolucionário dos Trabalhadores como parte de um Partido Revolucionário Mundial! Unir os revolucionários coreanos agora com base em um programa marxista! Junte-se à CCRI!



Secretariado Internacional do RCIT



Veja também os documentos anteriores da CCRI na Península da Coreia (em inglês):

Michael Pröbsting: Again on Capitalist Restoration in North Korea, 12 June 2018, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/again-on-capitalist-restoration-in-north-korea/

Michael Pröbsting: World Perspectives 2018: A World Pregnant with Wars and Popular Uprisings. Theses on the World Situation, the Perspectives for Class Struggle and the Tasks of Revolutionaries, RCIT Books, Vienna 2018, Chapter VI, pp. 95-105, https://www.thecommunists.net/theory/world-perspectives-2018/

RCIT: North Korea: Stop the American Warmongers! Defend North Korea against the Madman of US Imperialism! Down with the imperialist sanctions against North Korea! No political support for the Stalinist Kim Regime! 11 August 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/stop-usmadman-threatening-north-korea/

RCIT: US Sanctions against Russia, Iran, and North Korea are an Economic Declaration of War, 30 July 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/north-america/ussanctions-vs-russia-iran-north-korea/

RCIT: North Korea: Stop the War Mongering of US Imperialism! 4 April 2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/us-aggression-vs-north-korea/

RCIT: New Imperialist Threats in East Asia: Hands off North Korea! 12.3.2013, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/defend-north-korea/

RCIT: No War against North Korea! Call for Protests on the Day when a War starts! 6.4.2013, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/no-war-against-north-korea/

Michael Pröbsting: US Aggression against North Korea: The CWI’s “Socialist” Pacifism. Hippie Day-Dreaming is an Impotent Tool in the Struggle against Imperialist War! Authentic Socialists say: Defend North Korea! Defeat US Imperialism! 12.09.2017, https://www.thecommunists.net/worldwide/asia/cwi-and-north-korea/



On the RCIT’s analysis of China as an imperialist power see the literature mentioned in the special sub-section on our website: https://www.thecommunists.net/theory/china-russia-as-imperialist-powers/

quinta-feira, 7 de junho de 2018

BRASIL: A GREVE DOS CAMINHONEIROS

A Greve dos Caminhoneiros colocou o Governo de Michel Temer contra a parede
Pela greve geral por tempo indeterminado para por abaixo o governo golpista e pelo cancelamento de todas as reformas neoliberais

Declaração Corrente Comunista Revolucionária-CCR, 07 de junho de 2018, www.elmundosocialista.blogspot.com e www.thecommunists.net

O Brasil foi atingido pela maior greve de caminhoneiros de sua história.  Em resposta ao modelo de reajuste quase diário de preços do diesel, implantando pelo governo ilegítimo de Temer através da companhia petrolífera Petrobrás, pelo menos seis sindicatos dos trabalhadores caminhoneiros iniciaram uma greve em todo o país em 21 de maio e que  durou 10 dias.  A greve foi um sucesso com massiva participação e apoio da maioria população. Na prática, a greve paralisou o país se transformando numa verdadeira greve geral.

O golpe de estado que derrubou o governo democraticamente eleito de Dilma Roussef do Partido dos Trabalhadores, que entre outras várias medidas de reformas estruturais neoliberais, tais como a Reforma Trabalhista e fortes cortes nos investimentos sociais, também iniciou um processo de privatização do setor energético, nacional tendo como núcleo central a companhia Petrobrás. A partir de então, para garantir o lucro dos seus acionistas nacionais e internacionais, a companhia passou a adotar a política de reajustar quase diariamente os preços de combustíveis seguindo o aumento dos preços do barril de petróleo em âmbito mundial, incluídos aí o diesel, a gasolina, o querosene e o gás de cozinha. Como tanto o dólar quanto o preço do barril de petróleo vêm aumentando internacionalmnete, a Petrobrás reajustou o preço da gasolina nas refinarias 11 vezes em 17 dias, e elevou o do diesel sete vezes consecutivas. A gasolina acumulou uma alta de 16,76% em um mês, enquanto o diesel acumulou de 15,16% em um mês. Tal política de preços está sendo um duro ataque às condições de vida da classe trabalhadora.

Nós podemos caracterizar a greve dos caminhoneiros como tendo dois fatores contraditórios: Primeiro, essa greve teve um fator negativo porque é um setor em sua maioria de pequena burguesia, muitos são donos dos seus próprios caminhões, e dessa forma a principal exigência deles era somente abaixar o preço do diesel. As lideranças dos sindicatos dos caminhoneiros têm fortes vínculos com partidos de direita como o PSDB, não está errado definir o movimento como um lockout. E são essas lideranças que aceitaram a oferta do governo Temer em subsidiar com dinheiros público a redução somente do preço do diesel, sem modificar a política de reajustes com a gasolina, beneficiando as empresas transportadoras.

Outro fator negativo foi a barulhenta presença nas ruas e nas redes sociais de grupos de caminhoneiros defendendo o retorno do regime militar, porém a que se considerar que esse grupo não são maioria.

Em segundo lugar, o fator positivo foi que pela primeira vez em muitos meses uma greve setorial colocou o regime golpista contra a parede quando transformou esta greve setorial praticamente em greve geral nacional. O país parou literalmente durante 10 dias.  Foi umas verdadeiros caos, pois os supermercados ficaram esvaziados de produtos perecíveis tais como frutas e legumes, milhões de frangos e porcos morreram de fome por falta de ração. A gasolina sumiu dos postos, transformando as principais cidades do país em atípicos feriados, repartições públicas e escolas, inclusive universidades cancelaram as aulas, os próprios veículos dos policiais tiveram dificuldade de abastecimento e não foram para as ruas, etc. E mesmo assim, a greve contou com mais de 90% de apoio da população.

Historicamente os governos do Brasil desde o final do século XIX não desenvolveram o transporte por ferrovias ou hidrovias. Preferiram desenvolver o transporte por rodovias e, dessa forma,  esse sistema alcança pelo menos 65% do total colocando o país fortemente dependente dos países imperialistas que controlam os preços do petróleo internacional.

A decisão do governo de enviar o exército contra os caminhoneiros não foi completamente cumprida, eles foram às ruas, mas não reprimiram. A greve terminou apenas porque os líderes sindicais receberam subsídios do governo para o diesel e congelaram por 60 dias em um acordo assinado em um documento oficial.

O Papel das Direções Sindicais e dos Partidos de Esquerda

No geral quase todos os partidos de esquerda legalizados deram (PSOL, PSTU, PCO) apoio à greve dos caminhoneiros fazendo a ressalva de que a luta deveria ser estendida aos outros setores. O PT se limitou a dar razão aos caminhoneiros na questão dos prejuízos causados pelos aumentos diários e denunciar a política do governo, mas não chamou a greve geral.  A grande falha nessa improvisada greve geral não foi dos caminhoneiros, mas da própria CUT, porque deveria ter aproveitado a chance da mobilização dos caminhoneiros para ter convocado a greve geral. A CUT e as outras centrais sindicais juntos com os partidos de esquerda perderam a grande chance de pôr esse governo golpista abaixo e retomar a democracia para cancelar todas as medidas de reformas neoliberais.

Os únicos que se mobilizaram, e mesmo assim de forma muito tardia foram os petroleiros. A greve dos petroleiros começou no dia seguinte ao término da greve dos caminhoneiros. No entanto, a mão pesada do regime impôs uma multa de 2 milhões de reais por dia (500 mil dólares) caso a greve continuasse. Diante de tal repressão, a liderança pediu o fim da greve, prometendo reorganizar-se para uma greve futura. Na prática, o regime golpista semi-bonapartista está proibindo o direito de greve previsto na Constituição. 

Mas o regime que já não andava bem das pernas não só ainda está em crise como a tendência e seu maior enfraquecimento. No último sábado, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, empresário e militante do PSDB e representante do mercado financeiro internacional, renunciou. Pedro Parente foi responsável por impor a política de reajuste diário de combustível que foi o fator que causou a greve dos caminhoneiros. Uma política que provou ser desastrosa para o governo.

O governo Temer, que por si só já era fraco, não caiu até agora porque o regime golpista não consegue encontrar um nome de consenso para assumir o governo, mas isso pode mudar em poucos dias, tudo é provável. Alguns analistas chegam a falar sobre a possibilidade de cancelar as eleições.

É por isso que a única atitude correta dos líderes dos movimento sociais e político não deveria ser mobilizar para as eleições, mas para a greve geral e para acabar com o regime de golpista. 

É por isso que a única atitude correta dos líderes do movimento social e político foi mobilizar não para as eleições, mas para a greve geral e acabar com o regime de golpista.


* Pela greve geral indefinida  para por abaixo o governo golpista e pelo cancelamento de todas as reformas neoliberais!

* Não à criminalização de manifestações políticas e não à criminalização dos movimentos sociais!

* Segurança pública não é o papel das Forças Armadas! Pelo cancelamento da intervenção militar federal no estado do Rio de Janeiro!

* Pela criação de comitês de ação em fábricas, sindicatos, bairros, favelas e regiões periféricas em defesa de nossos direitos e contra o governo golpista e contra qualquer intervenção militar! Pela  criação de comitês de autodefesa dos trabalhadores e dos pobres nos bairros e periferias!

* Abaixo a lei constitucional que permite que os militares intervenham em questões políticas!

* Pela Assembléia Revolucionária Constituinte!

* Por um Governo dos Trabalhadores e dos Camponeses Pobres ”

* Por  revolucionário Partido dos Trabalhadores - um Novo Partido mundial da revolução socialista! A Quinta Internacional!